Web-FerroMHnegativo.jpg (5735 octets)      Coudelaria M. Heleno - Haras Biarritz      Web-Piaf MH1.jpg (8969 octets)

  Artigo 024
Home Index

Voltar à página Imprensa            Retour a la page La Presse            Page The Press

 

Notas soltas

 

Campeonato Nacional de Anglo-árabes, no Brasil

  

Com os seus oito milhões e meio de quilómetros quadrados e mais de cento e sessenta milhões de habitantes, o Brasil ocupa mais de metade do território da América do Sul e tem mais de metade da sua população.

Mas estes números colossais, também se aplicam à criação cavalar, que só na raça Anglo-árabe atinge as sete mil cabeças!

Assim, foi com grande expectativa que aceitei o convite para ir julgar o Campeonato Nacional de Modelo e Andamentos da raça Anglo-árabe, que se disputava na capital financeira do Brasil, a cidade de São Paulo, com os seus mais de vinte milhões de habitantes.

Expectativa e curiosidade com certeza, mas também alguma inquietude, quando percebi que ia ser o “juiz único” de tão importante campeonato. Que responsabilidade! Tanto mais que eu representava a CIAA (Conférence Internationale de l'Anglo-arabe), não só como seu membro directivo mas também como seu “juiz internacional de referência”.

Mas, finalmente, tudo se passou da melhor forma, como vamos ver.

O registro oficial de animais Anglo-árabes no Brasil teve início por volta de 1980.

Há uns 6 anos foram feitas importações de sémen e de garanhões franceses, importações que influenciaram grandemente a criação da raça no país.

A criação brasileira baseia-se principalmente no cruzamento directo de reprodutores Puro Sangue Inglês com reprodutores Puro Sangue Árabe.

Os animais têm sido utilizados com destaque nas várias disciplinas equestres, excluídas as corridas, que no Brasil são quase reservadas ao Puro Sangue Inglês. Em termos de repercussão internacional, os animais Anglo-árabes brasileiros que mais se destacaram foram os de resistência equestre, o que levou o país a, recentemente, ter feito importantes exportações para o Chile e Emirados Árabes.

 

Nas vésperas do Campeonato, os meus anfitriões tiveram a grande amabilidade de me levarem a visitar alguns clubes hípicos de São Paulo.

Estupefacção é o termo que posso empregar para descrever a minha surpresa, quando vi aqueles magníficos centros equestres, funcionais, impecavelmente arranjados, bonitos e mesmo grandiosos.

Para nós europeus, as superfícies de que as sociedades hípicas dispõem parecem-nos imensas, com os seus vários rectângulos de ensino, com os seus diferentes campos de obstáculos e de treino, tudo perfeitamente integrado numa natureza já por si magnífica, que uma jardinagem extremamente cuidada ainda melhora.

Picadeiros há-os enormes, e os percursos de exterior para treino ou passeio, alguns com obstáculos de cross, são de uma beleza de fazer inveja, incentivando de maneira natural o prazer de montar a cavalo e de fazer competição, tudo contribuindo certamente para desenvolver o hipismo e a agricultura. Um bom exemplo para nós portugueses, que até dispomos de locais perfeitamente adaptáveis aquela função...

Mas a minha surpresa também foi grande quando analisei os animais que me foram apresentados para julgamento, no Clube Hípico de Santo Amaro. Com efeito havia bastantes concorrentes muito bons, sendo alguns deles dignos de competir com sucesso em França, terra natal da raça Anglo-árabe.

As provas são organizadas em vários Campeonatos Nacionais: Júnior Fêmeas, Júnior Machos, “Potrancas”, Poldros, Castrados, Éguas, Cavalos, “Progênise” de Pai (filhos do mesmo garanhão), “Progênise” de Mãe, “Hunter Plesure” Novos e “Hunter Plesure” Seniores.

Grande maioria dos animais apresentados a julgamento não escondia serem Anglo-árabes a 50%, que neste Campeonato não foram separados, por exemplo, dos Anglo-árabes a 25% (25% de PSA e 75% de PSI).

A este propósito, a CIAA (que em relação ao Anglo-árabe é o equivalente da WAHO ao Puro Sangue Árabe), além de aprovar ou não a nível internacional os stud-books do Anglo-árabe dos diferentes países e de definir as suas diferentes secções, vai brevemente fornecer aos países membros directivas no sentido de harmonizar as regras dos concursos e dos julgamentos.

 

Enfim, resta-me felicitar os responsáveis pelo entusiasmo manifestado e pela maneira sem falha como foram organizados e decorreram estes campeonatos. Devo ainda lembrar a enorme simpatia, alegria e simplicidade dos brasileiros, uma simpatia, uma alegria e uma simplicidade que raramente encontramos nos nossos dias e que comprovam a grandeza de um povo.

 Manuel Heleno

 

Legenda das fotografias

 

 

A, B – Magníficos percursos de treino ou passeio

D – "Club House"

E – Belíssimas pistas de ensino

F – Enormes picadeiros

G – Uma jardinagem cuidada

H, J. K, L, M – Alguns bonitos concorrentes

Ma – Um campeão, vendo-se à sua esquerda o Sr. Jacinto Tognato, Presidente da Associação Brasileira do Cavalo Anglo-árabe

N, O, P – Alguns dos criadores

R – O dinâmico médico Dr. Fábio Goffi Jr., criador e um dos grandes impulsionadores dos Campeonatos

S – Caras bonitas e alegres

Voltar à página Imprensa            Retour a la page La Presse            Page The Press

 

Home Index