Web-FerroMHnegativo.jpg (5735 octets)      Coudelaria M. Heleno - Haras Biarritz      Web-Piaf MH1.jpg (8969 octets)

  Artigo 017
Home Index

Voltar à página Imprensa            Retour a la page La Presse            Page The Press

Entrevista

 

Em Outubro de 200?
o Maior Raide de Sempre
“The OMCAMA International 1.000 km”
 ***

 

- Manuel Heleno, depois de ter realizado e conseguido aprovação oficial do Regulamento Nacional para Concursos Oficiais de Modelo e Andamentos, depois de ter tomado a iniciativa de organizar as primeiras Provas Testes de Selecção para Reprodutores PSA, na Fonte Boa, e depois de ter redigido o Primeiro Fascículo do Volume II do Stud Book PSA, lançou a ideia de um Raide Internacional de 1000 km. Quer dizer-nos do que se trata ?

- A redacção do Regulamento Nacional de Concursos Oficiais de Modelo e Andamentos da APCRS era uma necessidade, de forma a impor um critério geral naquelas provas e assim dar expressão às classificações obtidas nos vários concursos. As provas de Selecção para reprodutores PSA são o imprescindível renascer de uma prática que há 30 anos era realizada na Coudelaria Nacional e que ainda hoje é responsável pela extraordinária funcionalidade dos nossos Árabes. No que respeita o 1º fascículo do Volume 2 do Stud Book PSA, trata-se de um trabalho fundamental para o futuro, bem como para consulta dos criadores e interessados naquela Raça.

Enfim, a ideia dos 1000 km resultou do desejo justificado de que se fale mais do nosso País, das nossas seculares tradições hípicas, dos nossos cavaleiros e da nossa criação cavalar. Sendo o maior Raide até hoje realizado no mundo, ele interessará certamente toda a Comunicação Social internacional, o que nos pode trazer grandes benefícios se, todos juntos, soubermos aproveitar a ocasião.

 

- Quais são as grandes linhas de tão importante acontecimento ?

- Trata-se de um Raide Internacional aberto a todas as raças de equídeos. Os concorrentes sairão no dia 28 de Outubro de 200? de Santarém, irão até ao Algarve e regressarão por Évora, para chegarem no dia 11 de Novembro à Golegã. A classificação far-se-á no dia 10, a uns 20 km daquela vila, de forma a permitir que no dia 11 os participantes concluam a prova entrando todos juntos na Manga da Feira de São Martinho, na ordem da classificação e sob os aplausos dos milhares de espectadores presentes. Penso que será um momento de grande emoção, possível graças ao apoio imediato que me foi prometido pelo Senhor Dr. José Veiga Maltez, o tão activo Presidente da Câmara Municipal da Golegã.

 

- Conta com muitos concorrentes ?

- Recentemente distribuí um primeiro prospecto anunciando este importante evento aos delegados oficiais de 50 países, durante o Congresso da WAHO em Istambul. A notícia foi acolhida com entusiasmo e o interesse manifestado ultrapassou todas as minhas expectativas. Muitos foram aqueles que desde logo se quiseram inscrever, havendo mesmo quem me afirmasse querer vir para Portugal com 6 cavalos, 6 meses antes da prova. Houve também quem me dissesse ser comprador do vencedor por um milhão de dólares, se este fosse Árabe e reprodutor.

Também em Portugal muitos têm manifestado o seu entusiasmo pela iniciativa e desde já contamos com a promessa de futuro apoio da FEP. Curiosamente algumas organizações de raides não mostraram grande entusiasmo, “porque vai dar muito trabalho”. Mas felizmente trata-se aqui de uma minoria sem interesse.

Assim, dado o entusiasmo observado, penso que o número de concorrentes terá de ser limitado a 100, pois não me parece ser possível organizar tão longa prova com um maior número, dado que a 100 concorrentes corresponde uma “comitiva” de mais de 300 pessoas, além dos oficiais.

 

- Quem são os organizadores?

- Duas Associações sem fins lucrativos, que presido: a Organisation Mondiale du Cheval Árabe Monte ou Attelé (OMCAMA), em França, e o EL Rey Dom Duarte I Clube (DDC), em Portugal. 

Mas necessitamos de todos os apoios que se nos oferecerem, sob todas as formas, sem esquecer os necessários patrocinadores. Trata-se de um extraordinário empreendimento que interessará certamente grandes empresas pela sua repercussão na Comunicação Social mundial, além de contribuir para o prestígio do nosso País, dos nossos raidistas, dos nossos cavalos e do nosso turismo.

Tenho esperança que os nossos compatriotas compreendam o interesse e dificuldade da iniciativa e reajam com o mesmo espírito que o fizeram os suecos no momento dos Mundiais Equestres, em que houve mais de 6.000 voluntários para ajudar desinteressadamente, sobretudo estudantes mas também médicos, empresários e políticos.

Enquanto não realizamos um site especial para este acontecimento, notícias sobre o assunto podem ser vistas na Web, em www.coudelaria-mh.com, rubrica OMCAMA. Para qualquer informação suplementar é favor enviar um fax para o 261 961 282, ou um e-mail para: omcama@coudelaria-mh.com.

 

- Uma prova tão extensa não será demasiadamente penosa para os animais ?

- Julgo que não e tudo farei para que isso não aconteça. Só admitimos animais de mais de 7 anos. As distâncias médias diárias serão de 75 km, mas a velocidade mínima exigida é relativamente baixa, sejam 8 km/hora. Para evitar os exageros justificados pelo entusiasmo e para impedir que algum concorrente se inscreva unicamente com a finalidade de ganhar uma ou duas etapas, estipulou-se que só os conjuntos que chegarem ao fim serão declarados vencedores das diversas etapas. Mas o mais importante de tudo, serão os controlos veterinários, que desejamos extremamente severos, pois não queremos nenhum cavalo inutilizado.

 

- Que tipo de concorrentes julga que vão participar ?

- Muitos amadores e grupos de amigos com desejo de grande aventura. E muitos profissionais e jovens raidistas. Esta prova é um verdadeiro acontecimento que a todos entusiasma. Já imaginou o que é poder dizer, “Ganhei o Raide de 1000 km, seja o maior raide do mundo”?  Ou simplesmente, “Participei nos 1000 km”?

 

- É efectivamente o maior raide jamais realizado ?

- Pelas informações de que disponho, este será realmente o maior raide até hoje realizado a nível mundial. Temos de bem diferenciar esta prova de longa distância sem nenhum dia de descanso e com uma velocidade mínima obrigatória, de certos “passeios” que se têm realizado sem cronómetro, com vários cavalos e com interrupções por vezes de semanas ou meses. Nestes casos já se ultrapassaram os 1000 km, mas isto não tem nada a ver com um raide federado.

 

- Enfim, que outros planos imediatos tem a nível hípico ?

- Tenho pronta uma proposta de estatutos para a futura Federação de Criadores, cuja fundação há anos me parece essencial e a meu ver tomaria o lugar da Associação Portuguesa de Criadores de Raças Selectas. Também estou a ultimar um regulamento que é um código de conduta e de conselhos aos Juízes de Concursos de Modelo e Andamentos, de forma a homogeneizar a maneira de julgar e instruir ou ajudar os menos experientes. Enfim acabámos de fundar a Associçãp Portuguesa do Cavalo Luso-árabe.


***

 

Legendas das fotografias do original

 Foto 1 e 2 – Nellie Boswel montando o PSA Kadim, num explêndido momento de emoção (Nova Zelândia).
 Foto 3 – Becky Hart montando o PSA Al Marah Xanthyium, ganhador da Tevis Cup (USA).
 Foto 4 – Na famosa Quilty Cup (Austrália) , Brook Sample e seu pai Bob. Notar as embocaduras dos 2 cavalos.
Foto 5 – Kate McIver com Silver Rabba (PSA), fazem uma pausa refrescante (Golden Horse Show Ride, Grã-Bretanha).
 Foto 6 – Rebecca Moss (D-Sha-Raz, PSA) e sua mãe Juliet (Sahara Ace, PSA), na Tevis Cup (USA).
Foto 7 – Na Austrália Rachael Bohn com o PSA Silver Ibn Zarak, no tão famoso Raide Shahzada (400 km).

 

Voltar à página Imprensa            Retour a la page La Presse            Page The Press

 

Home Index