Web-FerroMHnegativo.jpg (5735 octets)      Coudelaria M. Heleno - Haras Biarritz      Web-Piaf MH1.jpg (8969 octets)

  Artigo 007
Home Index

Voltar à página Imprensa            Retour a la page La Presse            Page The Press

Notas soltas

CCI***

O 25º Campeonato da Europa
de Concurso Completo de Equitação

17 nações representadas
O título individual para a já Campeã da Europa Pippa Funnel
A Grã-bretanha Campeã da Europa por equipas, pela 17ª vez
Um cavalo de origem portuguesa Vice-campeão da Europa

 

Com uma vista admirável sobre os Pirinéus, a cidade de Pau, antiga capital do Bearn, viu nascer no seu castelo Henry IV, pai de Luís XIII, recebeu Luís XIV e foi admirada por Napoleão, Victor Hugo, Lamartine, Stendhal, etc.

Mas Pau é também uma cidade de grande tradição hípica, tendo organizado as primeiras corridas de cavalos por volta do ano 1000 !  Em 1879, começaram a disputar-se duas corridas que ainda hoje se realizam: o “Grand Prix de Pau” e a “Grande Course de Haies”, que completam as 26 jornadas de corridas anuais.

Não admira portanto que, de 11 a 14 de Outubro, Pau tenha sido escolhida pela FEI para organizar o 25º Campeonato da Europa de Concurso Completo. O local eleito foi o “Domaine de Sers”, um centro de treino que aloja 600 cavalos em permanência, numero que pode ir até aos 900 em período de corridas.

Para disputar o título, estavam presentes concorrentes de 17 nações: Alemanha, Áustria, Bélgica, Croácia, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Grã-bretanha, Grécia, Hungria, Irlanda, Itália, Países Baixos, Portugal, Suécia e Suiça.

 

O ensino foi dominado pela actual Campeã de Alemanha, Ingrid Klimke, (filha de Rainer Klimke, bicampeão do Mundo de Ensino), que se colocou a 4,80 pontos da segunda classificada, a Inglesa Pippa Funnel (que defendia o seu título de Campeã de Europa), e a 12,80 pontos da 3ª, a grega Heidi Antikatzidis (6ª nos Jogos Olímpicos de Sidney). Na equipa portuguesa, Luís Santos Correia (Hepodes) obteve um 50º lugar, Pedro Azevedo e Silva (Angkor Chartain) acabou em 58º e Carlos Grave (Mental Wages) classificou-se em 62º.

Por equipas, a Grã-bretanha distanciou-se imediatamente, totalizando 134,80 pontos, enquanto a Alemanha terminou com 151,60 pontos, logo seguida pela Itália com 155,60 e pela França com 156. A Espanha, com 165 pontos, não estava muito longe da Irlanda (170). Portugal acabou com 208,20 pontos.

 

No dia 13, com a continuação de um tempo magnífico, disputaram-se as duas provas de estrada (12100 m a 220 m/m), o steeple (2760 m com 8 obstáculos a 690 m/m), e o cross. Este último, com uma assistência de perto de 60 000 espectadores, tinha 5970 m, que deviam ser percorridos em 10´10´´, e era constituído por 29 obstáculos que exigiam 40 esforços !  O terreno era perfeitamente plano e de boa qualidade. A grande maioria dos concorrentes achou o percurso bem montado pelo chefe de pista internacional e antigo cavaleiro de CC, Pierre Michelet. Os obstáculos, esteticamente bonitos, apresentavam-se em geral “sem maldade”, mas muito técnicos e exigindo grande experiência, como é normal num Campeonato da Europa. Os mais complicados ofereciam uma opção de dificuldade bastante menor.

Estatisticamente, verificámos que no total dos 63 concorrentes o cross só provocou 4 eliminações e 6 abandonos. Então era fácil ?  Evidentemente que não ! E a prova é que houve 27 cavalos penalizados com uma ou mais recusas e que só 16 conjuntos conseguiram cumprir o tempo.

Depois do cross, a detentora do título europeu, Pippa Funnel, colocou-se facilmente à frente da classificação (tanto mais que Ingrid Klimke não se apresentou). Foi uma prova fabulosa, extraordinária de técnica e de precisão a que vimos a cavaleira inglesa realizar com o não menos espantoso Supreme Rock !  Com este conjunto, todos os obstáculos pareciam facílimos, como convém a uma cavaleira Campeã da Europa Júnior (1998), Campeã da Europa em 1999 e medalha de prata nos Olímpicos de Sidney.

A Grega Heidi Antikatzidis, com Michaelmas, subiu para o 2º lugar da classificação, a 8 pontos da primeira, logo seguida por William Fox-Pitt com Stunning, a 10 pontos (2 barras).

É de notar que os 8 primeiros da classificação estavam a menos de 15 pontos (3 barras) uns dos outros, o que prognosticava grande interesse no concurso hípico.

A nossa equipa nacional não teve sorte, pois só Pedro Azevedo e Silva não foi eliminado no cross, tendo realizado um bonito percurso que o fez subir do 58º lugar para o35º !

Depois do cross a classificação por equipas alterou-se muito, excepto para a Grã-bretanha que manteve o 1º lugar com 140 pontos. Seguiam-se a França (161,40) que passou do 4º para o 2º lugar, a Itália (210,60), a Alemanha (229,40) que desceu do 2º para o 4º lugar, a Espanha (322), a Suécia (343) e a Irlanda (385).

 

No dia 14 de manhã, uma nova inspecção veterinária era obrigatória. Nela foram eliminados por claudicação Unsung Hero da alemã Bettina Hoy (que estava em 4º lugar da classificação provisória, a 2,40 pontos do 2º), bem como Angkor Chartain de Pedro Azevedo e Silva.

 

De tarde disputou-se a última prova de Campeonato da Europa 2001, o concurso hípico. Nele houve 15 conjuntos sem derrubes, 15 conjuntos com excesso de tempo e só 8 conjuntos sem qualquer penalização.

O 5º lugar da classificação individual foi para o Michel Bouquet (França), e o 4º para Heidi Antikatzidis (Grécia). A medalha de bronze foi ganha e bem merecida por Henrique Sarasola (Espanha), com Dop Doux, que de 10º depois do ensino, tinha chegado a 6º depois do cross. A medalha de prata foi para Inken Johannsen (Alemanha), com Brilliante. A medalha de ouro individual e o título de Campeão de Europa foram para Pippa Funnel, com Supreme Rock (Grã-bretanha).

E é assim que Pippa Funnel, que em 11/10/2001 já ocupava um invejável segundo lugar no ranking mundial, é pela 3º vez e muito merecidamente Campeã da Europa.

Por equipas, a medalha de ouro foi ganha pela Grã-bretanha, com 158,40 pontos. A medalha de prata coube à França (168,40). A Itália ganhou a sua primeira medalha de bronze (244,60). Seguiram-se a Suécia (378), a Alemanha (385), a Irlanda (410) e a Espanha (426,80).

 

Na opinião geral, o 25º Campeonato da Europa foi um êxito pelo local escolhido, pela boa organização, pelo número de países representados, pela qualidade dos cavaleiros presentes e pelos quase 60 000 espectadores que vibraram entusiasticamente aplaudindo e “puxando” sempre por todos os concorrentes das várias nacionalidades.

Parabéns à França por nos ter proporcionado um belo espectáculo e sobretudo parabéns à Grã-bretanha pelo domínio total na disciplina. A este propósito lembramos que na totalidade dos 25 Campeonatos da Europa realizados, a Grã-bretanha obteve 17 títulos por equipas, a antiga URSS 3, a Suécia 2, a Alemanha 2 e a Irlanda 1. Individualmente, os cavaleiros ingleses ganharam 17 títulos, os irlandeses 2, os suíços 2, e os franceses, dinamarqueses, polacos e russos 1.

Quanto à representação Portuguesa, que foi muito infeliz, há que reter a belíssima prova de cross realizada por Pedro Azevedo e Silva.

Enfim, a título de pequena consolação (se a poder ser), é de notar que o cavalo Baba au Rhum, Vice-campeão de Europa por equipas e 7º da classificação individual, é filho de Dunixi (garanhão do Estado Francês), filho da égua portuguesa Oxylla Ben Biarritz, da minha coudelaria. Já no ano transacto o então estreante Baba au Rhum, montado pelo simpático cavaleiro francês Frédéric de Romblay, obteve um 2º lugar no CIC ** de Chantilly e um 2º lugar no CCI *** de Pau. É o momento de, uma vez mais, prestarmos homenagem ao ilustre criador Guilherme Correia Gyão que lançou as bases de uma coudelaria que constantemente nos dá, a nós portugueses, a maior satisfação pelos seus constantes êxitos e projecção internacional.

Manuel Heleno

 


Legendas das fotografias

 Foto 1 – Os futuros vice-campeões da Europa por equipas e 7ºs da classificação individual. Frédéric de Romblay montando Baba au Rhum, filho de Dunixi (garanhão do Estado Francês), filho da égua portuguesa Oxylla Ben Biarritz.

Foto 2 – Dennis Mesples (França) e Vampire, no “canto”, que muito poucos escolheram saltar preferindo a opção.

Foto 3 – Caroline Pratt (GB) e Primitive Control, saltaram para a água com esta facilidade.

Foto 4 – O conjunto das “casas bascas” foi fatal para muitos.

Foto 5 – Pippa Funnel (GB) e Supreme Rock, a caminho do título de Campeões da Europa.

Foto 6 – Alice Naber Lozeman (Holanda) e Private Xpress Royal KI, no 2º obstáculo dos 3 que levavam à água.

Foto 7 – Bettina Hoy (Alemanha) com Stunning, passou assim um obstáculo na água.


Voltar à página Imprensa            Retour a la page La Presse            Page The Press

Home Index